Saber orientar-se numa cidade não significa muito. No entanto, perder-se numa cidade, como alguém se perde numa floresta, requer instrução.

Walter BENJAMIM

sábado, 27 de junho de 2009

Feira de Santana I

Eis a primeira ocorrência que me aparece - sem discriminação de tamanho, cor ou conteúdo impróprio - quando digito Feira de Santana no Google Imagens:

Não afigurou-se-me muito interessante. Essa mésoclise foi concebida em 2 segundos.

Essa foto é mais bonita. Nenhuma das duas é de minha autoria, tampouco sei quem é o autor (dono).

Davi Santana de Lara diz que o Sol de Feira de Santana é completamente diferente do Sol de Salvador. Aqui, além de mais quente, é bem mais mal-intencionado: sua luz, além de uniforme, pacata e disciplinada, se utiliza dos meios mais inexplicáveis para não deixar passar nada - nenhuma cicatriz pode ser camuflada, nenhuma acne passa despercebida. Nenhuma vileza é esquecida, afinal. O Sol de Salvador é mais dinâmico, permite alterações de humor; você pode, sim, se esconder nas ruas de Salvador. Aqui, não.

Nos homicídios da capital, quem vê sangue escorrendo, pensa: "é vermelho". Em Feira, pensa: "é vermelho e quente". Em Salvador seria necessário tocar o sangue para sentir a quentura.

Não posso continuar o post nessa linha, pois descambaria num texto a la Arnaldo Jabor.

Mas Davi exemplifica sua teoria: seu chaveiro é um Buda (é?) em miniatura. Em Salvador, ele apenas enxergava o Buda como um todo. No Sol escaldante de Feira, ele conseguiu ver contornos antes jamais visualizados, pedaços acidentados e marcas milimétricas.

É o Sol de Feira de Santana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

S'io credesse che mia risposta fosse
A persona che mai tornasse al mondo,
Questa fiamma staria senza piu scosse.
Ma perciocche giammai di questo fondo
Non torno vivo alcun, s'i'odo il vero,
Senza tema d'infamia ti rispondo.

Dante Alighieri. La divina Commédia
Inferno, XXVII, 61-66
I see the cities of the earth and make myself at
random a part of them,
(...)
I descend upon all those cities, and rise from
them again.

Walt Whitman, "Salut au monde".